terça-feira, 31 de julho de 2012

Deuses do Antigo Testamento

Na Biblia há algumas referências sobre os deuses adorados no Antigo Testamento que causava grande ira ao Deus vivo de Israel.
"Porquanto deixaram ao SENHOR, e serviram a Baal e a Astarote". Jz 2:13
As  prostitutas cultuais eram comum nos templos, elas eram sacerdotisas que usavam a relação sexual como forma de culto e adoração aos deuses.
A maioria dos deuses mencionados na bíblia eram cananeus, lembrando que os cananeus eram descendentes de Cam, o filho amaldiçoado de Noé (Gn 10:6). Cam gerou Canaã. Cam também gerou Cuxe que gerou Ninrode o grande líder Babilônico e Mizraim que em hebraico se refere ao povo egipcio.

Abaixo listo alguns dos deuses que aparecem na Biblia, há algumas controvérsias acerca da historia desses deuses e sua relações, mas procurei colocar abaixo as que mais são comuns entre si:

Baal- deus semita: Baal, em hebraico, significa ‘senhor’, ‘patrão’ ou ‘marido’, contudo na Bíblia ele é usado como nome próprio se referindo a um deus. Baal era filho de Dagon, ele aparece como o deus da tempestade e do vento. Era casado com Aserá.

Referencia bíblica: 1 Reis 16:31-32 e 18:21-40; 2 Reis 10:21-28 e 23:5; Jz 6:32, 8:33 e 9:4 e 9:46; Jr 11:12)

Muitos aparentemente adoravam o mesmo deus, porém com nomes diferentesBamote-Baal, Bete-Baal-Meom, Baal-Melkart, Meribe-Baal, Quiriate-Baal e até o famoso Baal-Zebube (Belzebu), conhecido como "O Senhor das Moscas" e seria o deus das coisas que voam ou que estão pelo ar.

No Antigo Testamento se usa muitas vezes o termo ‘baalim’, o plural de ‘baal’  (1Reis 18:18) termo que sintetiza as divindades masculinas. Aparece também o uso plural, ‘asterot, que indica as várias divindades femininas estrangeiras.

Astarote ou Asterote- deusa do amor, da fertilidade e da guerra: era chamada assim pelos fenícios, sumérios e acádios, os babilônios e assírios se referiam a ela como Ishtar, os sidônios de Inana, os egípcios de Isis e os gregos de Afrodite.
Os seus rituais eram múltiplos, passando por ofertas corporais de teor sexual, libações, e também a adoração das suas imagens ou ídolos. O sexualismo e erotismo ligados ao seu culto fazia dela uma deusa muito adorada entre os povos da altura, exatamente pelo seu teor. Talvez seja este o motivo que levou o rei Salomão a adorar esta deusa (1 Reis 11:5), contrariando o seu Deus.
No tempo de Jeremias muitas mulheres de Judá a adoravam, com o nome de Rainha dos Céus (Jr 7:18;44:17,19).


Aserá: deusa cananéia da fertilidade adorada também pelos fenícios e pelos sírios em culto junto com Baal, o seu companheiro (Jz 3:7). Uma inscrição suméria datando de 1750 a.C. se refere a ela como a esposa de Anu, que pode ser identificado como El, o deus pai do panteão cananeu. 

Aserá era chamada "A Senhora do Mar" e era representada, as vezes, como uma mulher que carregava uma ou mais serpentes nas mãos. Era a serpente de Aserá quem aconselhou Eva para desobedecer a ordem de Deus de não comer da árvore sagrada. Rituais sempre eram realizados em frente à uma árvore que representava a deusa. Daí deriva a adoração aos postes ídolos ou sagrados.
A palavra hebraica "asherah" é usada tanto para referir-se a Asera, deusa conhecida tanto como mãe de Baal como por mulher dele, quanto para identificar uma árvore sagrada, ou poste-ídolo que a representasse.

O arqueólogo Macalister encontrou em um estrato (nível de escavação) evidências de artefatos pertencentes ao período dos cananitas contemporâneos de Josué (cerca de 1.500 a.C.). Tratava-se de um "lugar alto", que tinha sido um templo onde os cananitas praticaram a adoração a seu deus Baal e sua deusa Asera, nos quais se realizavam os sacrifícios de recém nascidos. Macalister encontrou um grande número de vasos de tamanho grande que continham os restos de ossos de bebês. Não poderia ser um cemitério porque locais de sepultamento eram considerados impuros e impróprios para a adoração.

Asterote e Aserá são similares podendo as vezes se referir a mesma deusa.

Moloque: também conhecido como Malcã, conforme os textos bíblicos, é o nome do deus ao qual os amonitas, uma etnia de Canaã, sacrificavam seus recém-nascidos, jogando-os em uma fogueira. Era o deus dos filhos de Amom. No hebraico, o seu nome significa “rei”.  Os amonitas, descendiam de Bem-Ami, filhos de Ló. Também é conhecido como deus do fogo, pois consumia suas vitimas no fogo.
Segundo as escrituras, os povos amorreus, por volta de 1900 a.C., adoravam Moloque, ele era, ao mesmo tempo, um fogo purificador, destruidor e consumidor. A aparência de Moloque era de corpo humano com a cabeça de boi ou leão, no seu ventre havia uma cavidade em que o fogo era aceso para consumir sacrifícios, consumindo assim, a criança viva.
Ele era esculpido todo em bronze, seus sacerdotes recheavam-no de produtos inflamáveis. Em seguida, aqueciam-no até que ficasse intensamente vermelho.

E da tua descendência não darás nenhum para fazer passar pelo fogo perante Moloque; e não profanarás o nome de teu Deus. Eu sou o SENHOR. Lv. 18:21; 20

Dagon- deus semitico: era uma das principais divindades dos filisteus (povo de Canaã). Ele era um deus da fertilidade, da abundância e das colheitas. 
Dagon era o pai de Baal e só estava abaixo de El, o deus Supremo daquele povo. Há registros de seu nome datando da terceira dinastia de Ur, cerca de 25 séculos antes de Cristo.
Dagon é representado como uma entidade marinha tendo a parte superior do corpo de homem e da cintura para baixo, sendo peixe. Em outras representações ele é um homem com o corpo coberto de escamas, capaz de respirar, e assim viver no fundo do mar.
Quando ele estava satisfeito contemplava seus seguidores com colheitas abundantes que mantinham longe as privações.

Os filisteus dependiam de Dagon para o sucesso em suas colheitas, mas rendiam a ele homenagens também em tempos de guerra. Para agradá-lo, ofereciam sacrifícios de animais e orações em seus grandes templos. Seus sacerdotes usavam trajes cerimoniais com escamas prateadas e grandes mitras na cabeça. Para seus deveres sagrados usavam bacias de metal e facas curvas empregadas nos sacrifícios.

Em 1 Sm 5 vemos o relato de quando os filisteus roubaram a Arca da Aliança e Dagon se prostrou diante dela.

9 comentários:

pierrot disse...

Que post interessante.
Minha dúvida é quanto a fonte das informações da aparencia desses falsos deuses como no caso do Moloque. Seria uma referencia a ele o bezerro de ouro feito no deserto pelo povo hebreu. Deus abençoe você^^

Paulo Jorge Ramos disse...

Sobre Baal dos cananeus:
http://quem-escreveu-torto.blogspot.pt/2009/04/seculo-xiii-aec-canaa-ugarit-o-epico-de.html
Saudações

Anônimo disse...

Ótimo post! Tenho que concordar com pierrot,Moloque tinha uma aparência com um bezerro e tinha um boca grande e aberta para que as crianças que eram oferecidas em sacrifício fossem jogadas lá! Nessa referência de 1Sm 5.4,esse DagoM (na bíblia com M)não se refere ao deus Dagon. Valeu

Luis Marcelo disse...

Gostei muito do seu blog e achei tudo muito bem realizado.Tenho em especial a informação sobre Aserá ser a mãe e também mulher de Baal,realmente muito interessante.Ás vezes ouvi por meio de comentários de sites que tratam de teorias conspiratórias e ocultismo ,a idéia de que Ninrode da torre de Babel,filho de Cão e neto de Noé ser também filho e marido(incestuoso)de sua mãe Semíramis e por isso a similaridade entre várias figuras míticas de mesmos significados.Muito legal esse fato narrado pois é uma informação que só veio enriquecer ainda mais meus conhecimentos sobre o assunto.Gostaria de saber algo mais sobre o deus Renfã ao qual alguns atribuem o uso da estrela de seis pontas por Salomão o rei,sabes se é isso verdade ou tem alguma autenticidade essa informação? No mais agradeço a participação e que Deus o Pai lhe abençoe por Jesus Cristo,amém.

Patricia Lassance disse...

Moloque é cultuado nos Estados Unidos num local chamado, Bohemian Grove, um jornalista(Alex Jones) filmou um culto realizado lá dentro, moloque é representado por uma imagem de coruja de pedra de uns 3 metros de altura,a mesma coruja que aparece nas notas de dólar americano, durante o ritual eles adoram a coruja e oferecem a ela um sacrifício humano, uma pessoa queimada viva.
Desde os tempos do antigo testamento até hoje, os homens mais ricos e poderosos da terra estão aí adorando esses deuses debaixo de nossos narizes. Vamos nos lembrar da IURD e do garoto Lucas Terra...

Assis Utsch disse...

Deus é um ser imaginário da mesma natureza dos outros deuses, divindades, santos, fetiches, etc. Num certo momento histórico os judeus, que até então eram politeístas, adotaram o Deus Único como forma de se aglutinarem e afastar os conflitos entre suas tribos. As dezenas de deuses mencionados na Bíblia comprovam o politeísmo judaico. Todos os salvadores, messias, profetas e pregadores são os precursores dos atuais exploradores de nossa credulidade. Ainda assim, afastar de nossas mentes o Deus herdado desde o colo da mãe é uma tarefa impossível para muitos.

luis nazzi disse...

Abraão era caldeu,lingua extinta 400ac,invasão de alexandre o grande ,confeccionado o AT, com a legenda da terra prometida e o codigo de hamurabi reeditado, AT é muito bom para o poder pois ele endossa a tomada de terras de outros povos atraves de invasões, o povo cananeu e egipicios foram varridos do mapa,e suas culturas milenares roubadas,quando um farao egipicio que conhecia suas terras por milenios, engenharia e agricultura avançada ia pedir para um estrageiro previsões de adivinhamento JOSE DO EGITO ,para plantar em suas terras, mais facil acreditar em papai noel,com invasão romana é confeççionado o NT ,tambem dando autonomia para tomar terras e a escravidão, ex as terras indigenas da americas norte ao sul foram todas tomadas e deram um deus para eles

Unknown disse...

Gostei muito do post.Um conteúdo bastante abrangente,mas conseguiu compactar.O publico atraido ao blog possuem vasta bagagem histórica.Parabens

Palavra de Crente Waltinho Mello disse...

Gostei muito do post.Um conteúdo bastante abrangente,mas conseguiu compactar.O publico atraido ao blog possuem vasta bagagem histórica.Parabens